O comércio eletrónico em Portugal tem evoluído a passos de gigante. Temos mais consumidores do que nunca a usarem sites de compras online para comprarem tudo o que se possa imaginar – desde mercearias a roupas, têxteis para o lar, presentes e muito mais.

O avanço da tecnologia e uma melhor perceção da diversidade do on-line vs lojas físicas, levou o consumidor a percorrer o longo caminho da mudança de comportamento, evoluindo não só no sentido de adotar o comércio eletrónico, mas também no sentido de o apreciar e gostar da conveniência subjacente. Afinal de contas, há alguma coisa para não gostar no comércio eletrónico?

A pandemia veio alavancar de forma decisiva esta mudança no comportamento dos consumidores, contribuindo para a explosão do setor das compras online em Portugal – com os estafetas a ganhar músculo durante este processo!

Mas não se fique apenas por aquilo que digo:

Estudos recentes concluíram que 50% dos consumidores portugueses compram agora online, um crescimento considerável desde 2019, quando apenas 39% dos consumidores usavam o comércio eletrónico regularmente.

 

Contudo, embora a pandemia tenha conduzido a um grande aumento nos volumes de vendas online, o mercado do comércio eletrónico e as transações on-line com cartão em Portugal continuam largamente subdesenvolvidos. Isto equivale a uma quota das vendas totais de comércio eletrónico na região muito inferior à média europeia.

 

Quanto às lojas físicas, também vemos que os pagamentos contactless, por exemplo, não tiveram tanta adesão em Portugal quando comparado com o resto da Europa. Mesmo com a COVID a fazer com que os pagamentos contactless aumentassem em toda a Europa, em Portugal, os volumes contactless passaram de uns tímidos 8% pré-pandemia para apenas 30% pós-pandemia. Estes números estão muito atrás dos de outros países europeus, tais como o Reino Unido, que registou 88,6% do total de pagamentos com cartão contactless em 2020.

 

Então o que se está a passar?

 Embora o comércio eletrónico represente um enorme potencial inexplorado para os comerciantes portugueses, a verdade é que o difícil acesso às mais recentes soluções de pagamentos online não lhes permite tirar o máximo proveito do que o comércio eletrónico tem para oferecer.

O mesmo acontece nas lojas físicas. Ainda existe um número significativo de comerciantes sem terminais com contactless ativo.

usando celular para comércio eletrônico

O domínio do Multibanco

Os pagamentos online em Portugal são dominados pela marca doméstica de cartões, o Multibanco – e vemos que cerca de 95% do volume de transações em Portugal é gerido pelo processador doméstico. Este padrão leva a que muitos comerciantes portugueses simplesmente não aceitem métodos de pagamento alternativos mundialmente populares, como por exemplo o Apple Pay e o Google Pay, porque os fornecedores locais não disponibilizam estes métodos globais.

Infelizmente, esta limitação resulta na perda de potenciais transações de comércio eletrónico e limita a internacionalização dos negócios. Estes métodos de pagamento globais estão a crescer rapidamente em todo o mundo e registam impactos extremamente positivos nas taxas de conversão de vendas no comércio eletrónico.

 

E a seguir?

À medida que os clientes ficam mais informados e confiantes nos pagamentos com cartões, carteiras digitais e outros métodos, os comerciantes devem satisfazer a procura se quiserem continuar a ser relevantes. Nas lojas internacionais online de maior sucesso entre os portugueses, vemos que todo o esforço de venda é pensado até ao último click. O pagamento é absolutamente decisivo e faz parte do fluxo de venda. Todos queremos comprar de forma simples, rápida, segura e confortável – sem ser necessário ir ao homebanking ou ATM mais próximo para concluir a compra…

Para que os seus clientes se sintam confortáveis e confiem em comprar-lhe a si através deste novo canal não é preciso inventar a roda. Basta munir-se das ferramentas certas.

 

Proteger a sua loja online

Os comerciantes e os titulares de cartões querem transições para o on-line perfeitas, com experiências de pagamento simples, rápidas e seguras. Grandes mudanças no setor, como a Diretiva dos Serviços de Pagamentos (PSD2) e a respetiva Autenticação Forte (SCA), introduziram novas regras para melhorar a experiência online, mas nem todos os comerciantes estão a utilizar todo o seu potencial.

Por exemplo, no mercado português, os comerciantes que trabalham com soluções domésticas para o processamento de transações não estão autorizados a gerir e submeter isenções à regra SCA. Isto afeta diretamente as receitas de um comerciante, pois as isenções podem aumentar drasticamente as conversões e aprovações. Mais do que isso, limita automaticamente a sua capacidade de aceitarem pagamentos internacionais de outras partes da Europa, tais como titulares de cartões do Reino Unido, cujos emissores utilizam agora o protocolo de segurança 3D Secure 2.0 e estão completamente preparados no âmbito do regulamento.

Como tal, muitos comerciantes portugueses – não querendo perder a enorme oportunidade do comércio eletrónico – voltam-se agora para fornecedores de serviços de pagamento para abrirem as portas ao mundo do comércio eletrónico internacional, pagamentos e soluções de fraude atualizadas para lhes fornecerem uma solução que podem utilizar.

 

As fintechs ocupam uma posição ideal para fazerem precisamente isto

Com fintechs como a Credorax, os comerciantes portugueses ganham acesso instantâneo às mais recentes soluções de comércio eletrónico, à utilização correta do 3D Secure 2.2 e sua otimização, ao cumprimento eficiente de SCA, à capacidade de aceitar Apple Pay e Google Pay e outros meios de pagamento alternativo locais, além de ferramentas avançadas de inteligência de negócios que podem inspirar a trajetória ascendente de uma empresa.

Em resumo, o setor fintech pode permitir aos comerciantes portugueses não só concorrerem em igualdade de condições no jogo do comércio eletrónico sem fronteiras, como também adiantarem-se (apesar da sua chegada tardia).

Na Credorax reconhecemos igualmente a importância de estar sempre on-line para que os nossos comerciantes nunca percam uma transação. Prometemos menos de quatro (!) minutos de inatividade por ano – um número raramente registado no setor dos pagamentos.

 

O resultado final

 A forma como fazemos compras está a mudar. Essencialmente está mais digital, seja no meio on-line seja no meio físico. O progresso é totalmente inevitável. Mais importante ainda, os comerciantes portugueses simplesmente não se podem dar ao luxo de perder o comboio do comércio eletrónico. As fintechs, com o seu ADN fortemente marcado pela inovação e agilidade, reúnem as condições ideais para apoiarem os comerciantes no crescimento das suas lojas on-line.

Já escolheu o seu novo parceiro de pagamentos?…

Sobre a Credorax

A Credorax é um banco especialista em soluções de pagamento, licenciado para operar em toda a Eupora. A nossa tecnologia de gateway, SourceTM, foi desenvolvida internamente com vista a fornecer uma experiência de pagamento simplificada, tão inteligente e segura que os comerciantes podem alcançar todo o seu potencial comercial simplesmente através de uma melhor gestão dos seus pagamentos.

Os comerciantes da Credorax podem aceitar mais de cem cartões e métodos de pagamento locais e receber o pagamento na moeda da sua escolha. Os nossos comerciantes também desfrutam da melhor otimização da taxa de aprovação, proteção antifraude avançada, inteligência de negócios e uma série de outros serviços e produtos de valor acrescentado que se somam a uma experiência de pagamento como nenhuma outra. Para mais informações, visite www.credorax.com.

 

Contacto Credorax

Liliana Oliveira

Diretora de Vendas e Desenvolvimento do Negócio, Portugal

Liliana.Oliveira@credorax.com

 

Este artigo foi originalmente publicado na 69ª edição do Grande Consumo.
https://grandeconsumo.com/edicoes-revista/grande-consumo-n-o-69/